terça-feira, 29 de janeiro de 2008

INFANTARIA DA AERONÁUTICA




Missão da Infantaria da Aeronáutica

A Infantaria da Aeronáutica tem como missão executar ações defensivas, ofensivas, especiais e de proteção, a fim de contribuir para o cumprimento da missão constitucional da Aeronáutica, preservando equipamentos, instalações e pessoal de interesse da Aeronáutica.

Operações Especiais Conjunto de ações de características não convencionais que fogem do emprego normal da tropa e que são executadas pelo Esquadrão Aeroterrestre de Salvamento (EAS) e por Pelotões de Operações Especiais (PELOPES), constituído de pessoal com alto grau de adestramento e prontidão operacional, sendo selecionado entre os militares que mais se destacam na tropa. Salvamento e ResgateÉ a subunidade de emprego da Infantaria da Aeronáutica constituída de pessoal, material e equipamentos, destinada à realização de operações de salvamento e resgate; subordina-se ao BINFA da OM onde estiver sediada. Quando desdobrada, poderá passar à subordinação da maior autoridade da Aeronáutica da área de atuação. Poderá, ainda, atuar sob o comando de um Grande Comando, de determinda Unidade Aérea de Asas Rotativas, ou integrada à Unidade Celular de Segurança e Defesa (UCSD)Autodefesa AntiaéreaConjunto de ações de segurança e defesa que visa a impedir o ataque de aeronaves e engenhos aeroespaciais a pontos sensíveis de interesse da Aeronáutica, sendo realizada pela Artilharia Antiaérea de Autodefesa (AAAD). Dentro da Aeronáutica, é executada pelas Companhias de Artilharia Antiaérea de Autodefesa (CAAAD) subordinadas aos BINFA, sendo a primeira criada, em 1995, na Base Aérea de Canoas.
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
-COTAR - CENTRO DE OPERAÇÕES TERRESTRES DA AERONÁUTICA
BINFAE - BATALHÕES DE INFANTARIA DA AERONÁUTICA ESPECIALComar II -

Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial do Recife (BINFAE-RF) GuararapesComar III -Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial do Galeão (BINFAE-GL)Comar III -
Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial dos Afonsos (BINFAE-AF)Comar V -
Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Canoas (BINFAE-CO)Comar VI -
Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Brasília (BINFAE-BR)Comar VII -
Batalhão de Infantaria da Aeronáutica Especial de Manaus (BINFAE-MN)
BINFA - BATALHÕES DE INFANTARIA DA AERONÁUTICACAAAD -

1a Companhia de Artilharia Antiaérea de Autodefesa (Canoas, RS)
CINFAI - CIAS DE INFANTARIA DA AERONÁUTICA ISOLADAS
EAS - ESQUADRÃO AEROTERRESTRE DE SALVAMENTO (PARA-SAR)
PELOPES - Pelotões de Operações Especiais
xxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxxx
A Infantaria do futuro

Infantaria da Aeronáutica nasceu com o próprio Ministério da Aeronáutica, em 1941, com o objetivo de executar a guarda, a vigilância e a defesa imediata das Bases Aéreas.
Ao longo do tempo, entretanto, alguns indicativos mostravam a necessidade de uma reestruturação que viesse a transformar a Infantaria no Quadro combatente e operacional que a Aeronáutica necessita. Em primeiro lugar, havia a indefinição da missão e das atividades que lhe seriam afetas, seguida da inexistência de um órgão gerenciador de suas atividades. Além disto, havia a carência de doutrina de emprego específica para as Unidades de Infantaria, a falta de meios materiais, e a inexistência de pessoal especializado. Tudo isso vinha comprometendo a sua capacidade operacional.
Em 1997, após dois anos de estudo do problema pelo Grupo de Trabalho responsável, foi proposta e aprovada a DMA 19-2, documento que tratava da Reestruturação da Infantaria da Aeronáutica. A partir de então, o Comando Geral do Ar (COMGAR) foi designado como órgão central das atividades ligadas a este segmento da Força Aérea.
Para assessorar o COMGAR na realização desta tarefa foi ativado, em 10 de julho de 1997, a Subchefia de Operações Terrestres que, após várias fases, veio a ser o atual Centro de Operações Terrestres da Aeronáutica (COTAR), ativado em 22 de março de 1999.
Com o início dos trabalhos do COTAR, diversas mudanças foram realizadas na Infantaria da Aeronáutica. A incorporação do PARA-SAR foi uma delas, seguida pelo fortalecimento da Artilharia Antiaérea de Autodefesa, da nomeação dos Comandantes das suas Unidades de Emprego por meio de portaria, e da realização do Curso de Política e Estratégia Aeroespacial pelos Oficiais Infantes.


FONTE : COTAR

2 comentários:

ricardo disse...

infantaria da aeronautica e tudo de bom,para quem gosta de adrenalina total. eu sou infante da força aerea brasileira nunca deixarei de ser um verdadeiro infante. ser infante não e contar com a sorte,e lutar pelo brasil se for precisor ate há morte. ass: sd casciano da 1° cia de policia do binfae af.

jean disse...

galera eu sou gaucho e gostari de saber se aki na base aerea de canoas tem a infantaria...tenho 15anos e quero entrar na afa para me tornar aspirante oficial de infantaria e deois servir aki...